quarta-feira, agosto 15, 2018
Início Cloud Nuvem O que a serverless computing traz de novidade para a cloud?

O que a serverless computing traz de novidade para a cloud?

0

Que a computação em nuvem modificou toda a forma de trabalho e de pensamento das empresas em relação aos setores de TI você já sabe, afinal de contas, não é nenhum fato novo. A possibilidade de não necessitar de uma estrutura física de servidores dentro de uma empresa fez com que o mercado se transformasse e desse mais atenção a serviços diretos na nuvem.

Tanto a computação como o backup na nuvem, hoje já são bastante utilizados pelas organizações. Isso porque eles apresentam uma série de vantagens – estruturais, econômicas e segurança– e fazem com que esse setor esteja sempre aberto a novidades.

Um novo termo surgiu nos últimos anos para alavancar e evoluir esse conceito: trata-se da serverless computing. Neste artigo, você ficará por dentro do que se trata, as vantagens e o que ela pode acrescentar à cloud computing.

Do que se trata?

Em tradução direta do inglês, o termo significa “computação sem servidor”, ou seja, trabalhar sem a necessidade de servidores físicos. Com essa novidade, não será necessário sequer ter máquinas virtuais na nuvem. A expectativa dos profissionais de TI em cima desse novo conceito gira em torno da possibilidade de um trabalho mais livre, permitindo a criação e execução de aplicativos sem as limitações dos servidores.

A principal diferença em relação a outros tipos de computação e servidores é que sua infraestrutura tem foco na entrada, execução e saída de uma ação, não nos meios para que esse caminho seja percorrido. Assim, a liberdade tão sonhada pelos profissionais de SI, finalmente, é algo possível.

Apesar de o conceito ser animador, pouco ainda é aplicado por falta de conhecimento do setor. Ainda é algo novo, que precisa ser mais bem estudado pelas empresas antes de ser definitivamente adotado. Ainda assim, promete não somente uma melhoria nas condições de trabalho, mas também economia financeira e de tempo.

Vantagens

Como já citamos acima, trabalhar com a serverless computing faz com que o setor de TI da empresa consiga ter mais liberdade para criar e executar suas ações. Também é preciso dizer que lidar com as plataformas sem a necessidade de um servidor torna o processo mais fácil, sem precisar demandar tempo para cuidar de uma infraestrutura que já estará pronta. Com isso, podemos citar diversos benefícios. Confira:

  • Redução dos custos: existem alguns motivos para que os custos sejam reduzidos com a implantação dessa abordagem. O primeiro deles é que a empresa pagará apenas pelo tempo que utilizar. Diferentemente dos servidores tradicionais, nos quais o pagamento acontece independentemente da quantidade e do tempo de uso, aqui a cobrança é feita com o tempo de utilização em que as funções estejam sendo processadas. Nessa mesma linha, as funções serverless precisam de muito menos tempo para alcançar o total de propriedade (TCO), algo que nos servidores virtuais a execução acontece menos de 500 mil vezes por mês. Tudo isso comprova que os investimentos em TI poderão ser mais bem alocados utilizando desse novo serviço, pois, economizando nessa parte, mais dinheiro poderá ser usado para melhorar a estrutura, a equipe, entre outros fatores.
  • Automatização de TI: uma das palavras-chave do momento é automatização. Cada vez mais as máquinas e novas tecnologias substituem a mão de obra humana para executar determinadas atividades. A serverless computing também atua nessa área. Várias aplicações podem ser ativadas por meio de eventos específicos, sem que exista a necessidade de alguém para executar a função. Registro de usuários e autenticações, por exemplo, podem ser implementados diretamente no código. Outra opção é a configuração de uma plataforma de gerenciamento de API.
  • Escalabilidade: para as empresas, a escalabilidade é um fator essencial. Isso se refere à capacidade de crescer e continuar atendendo às demandas sem qualquer tipo de queda de qualidade. Quando transferimos esse conceito para as aplicações de servidores de rede, podemos entender como a variação da execução das aplicações, principalmente em relação ao crescimento potencial delas, sem que haja sobrecarga. Isso porque elas têm suas funções executadas paralelamente, conforme o aumento de suas chamadas vá acontecendo. Com isso, não é preciso, por exemplo, fazer mudanças na infraestrutura para atender demandas maiores. Ela, por si só, já é feita para conseguir funcionar com qualidade – mesmo com aumento dos níveis de execução das funções.
  • Linguagens de programação: algo que pode melhorar a qualidade do serviço de TI de uma empresa é a utilização de mais de um tipo de linguagem de programação. Na implantação da FaaS (Function as a Service), diversos tipos de linguagem de programação são permitidas, sendo possível determinar quais códigos serão utilizados.
  • Trabalho facilitado: um dos fatores mais legais da utilização da serverless computing é a agilidade que ela proporciona para que o desenvolvimento das atividades aconteça com mais velocidade. Os processos são simplificados, o que faz com que tanto a criação como a execução aconteçam com mais facilidade.

Vale a pena investir?

De forma mais resumida possível, todo esse novo conceito se refere a uma solução da cloud computing, que permite a criação e execução de aplicações sem se preocupar com o gerenciamento dos servidores. Para os profissionais de Segurança da Informação, isso é maravilhoso, pois o gerenciamento da infraestrutura dos servidores é muito trabalhoso e demanda um gasto de tempo que pode, nesse caso, ser utilizado para outras finalidades.

Na serverless computing, todo o gerenciamento é feito pelo provedor da nuvem: tanto para o provisionamento quanto para o dimensionamento da capacidade de processamento, sistemas de armazenamento e banco de dados.

Como essa novidade alavanca a computação em nuvem? Justamente no fato de permitir que os processos de desenvolvimento dos aplicativos em nuvem sejam mais velozes, já que atualmente a tecnologia permite isso.

No Brasil, o conceito ainda não “chegou para valer”. Mas, se o mercado estrangeiro aceitá-lo, certamente as empresas no país em breve precisarão se adaptar e aplicar nos seus setores de TI.

Se você ficou interessado pelo assunto e quer saber como melhorar o desempenho da equipe de TI da sua empresa migrando para cloud computing, confira este artigo especial no qual falamos todos os detalhes sobre esse tema.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here